Book Haul de Julho de 2017


O Book Haul referente ao mês de julho de 2017 é extremamente especial em virtude dos livros que corresponderam a leitura desse período. São obras emblemáticas que abordam diferentes temas em seus respectivos gêneros, ligadas por um objetivo em comum: informar a emocionar o leitor. Desde romances históricos e críticas sociais, até universos distópicos e fantásticos, passando por contos e prosas eternizadas pela tinta no papel. E, além desses notáveis aspectos, trata-se, também, da 20ª publicação mensal onde organizo as principais obras adquiridas ou resenhas nos últimos trinta dias. Abaixo você pode conferir cada uma delas, com o link de acesso a sua resenha e onde encontrá-la; não deixe de conferir:


A Casa das Sete Mulheres, de Leticia Wierzchowski
Durante a Revolução Farroupilha (1835-1845) — uma luta dos latifundiários rio-grandenses contra o Império brasileiro —, o líder do movimento, general Bento Gonçalves da Silva, isolou as mulheres de sua família em uma estância afastada das áreas em conflito, com o propósito de protegê-las. A guerra que se esperava curta começou a se prolongar. E a vida daquelas sete mulheres confinadas na solidão do pampa começou a se transformar. O que não está nos livros de história sobre a mais longa guerra civil do continente está neste livro de Leticia Wierzchowski, um exercício totalizador sobre a violência da guerra e sua influência maléfica sobre o destino de homens e de mulheres.
Comprar: Clique aqui
Resenha: Clique aqui


Homo Perturbatus, de Luiz Carlos Freitas
A Família e a Sociedade geram seres automatizados, como se fabricados em série? O excessivo apego à tecnologia, o consumismo desenfreado, o materialismo e o desrespeito às leis naturais estão transformando o Homo Sapiens no Homo Perturbatus? O novo romance do escritor gaúcho Luiz Carlos Freitas responde estas e outras perguntas, apontando causas e consequências da perda dos referenciais humanos. Homo Perturbatus é mais que uma crítica social. É uma profunda análise da condição humana e das instituições que dominam a civilização ocidental, mostrando a necessidade de revolução individual e coletiva do homem, sob pena de ele perder as prerrogativas de animal racional. Ficção, suspense, romance, ironia, filosofia e antropologia em uma obra única e original. Leitura para entender o Brasil e o mundo contemporâneo.
Comprar: Clique aqui
Resenha: Clique aqui


Desintegrados, de Neal Shusterman
A Fragmentação tornou-se um grande negócio com poderosos interesses políticos e corporativos em jogo. O governo não quer apenas continuar com ela, como também expandi-la. Cam foi feito inteiramente com as melhores partes de fragmentados e, tecnicamente, ele é um garoto que não existe. Um verdadeiro Frankstein do futuro, que luta para encontrar sua identidade e se questiona se um ser como ele pode ter alma. Quando as ações de um sádico caçador de recompensas ameaçam a causa de Connor, Lev e Risa, o destino de um deles é ligado ao de Cam. A aguardada sequência de Fragmentados desafia a suposição de onde começa e termina a vida e o que realmente significa viver.
Comprar: Clique aqui
Resenha: Clique aqui


Um Tom Mais Escuro de Magia, de V. E. Schwab
Entre em um universo de aventuras audaciosas, poder eletrizante e Londres múltiplas. Kell é um dos últimos Viajantes — magos com uma habilidade rara e cobiçada de viajar entre universos paralelos conectados por uma cidade mágica. Existe a Londres Cinza, suja e enfadonha, sem magia alguma e com um rei louco — George III. A Londres Vermelha, onde vida e magia são reverenciadas, e onde Kell foi criado ao lado de Rhy Maresh, o boêmio herdeiro de um império próspero. A Londres Branca: um lugar onde se luta para controlar a magia, e onde a magia reage, drenando a cidade até os ossos. E era uma vez... a Londres Negra. Mas ninguém mais fala sobre ela. Oficialmente, Kell é o Viajante Vermelho, embaixador do império Maresh, encarregado das correspondências mensais entre a realeza de cada Londres. Extra-oficialmente, Kell é um contrabandista, atendendo pessoas dispostas a pagar por mínimos vislumbres de um mundo que nunca verão. É um hobby desafiador com consequências perigosas que Kell agora conhecerá de perto. Fugindo para a Londres Cinza, Kell esbarra com Delilah Bard, uma ladra com grandes aspirações. Primeiro ela o assalta, depois o salva de um inimigo mortal e finalmente obriga Kell a levá-la para outro mundo a fim de experimentar uma aventura de verdade. Magia perigosa está à solta e a traição espreita em cada esquina. Para salvar todos os mundos, Kell e Lila primeiro precisam permanecer vivos.
Comprar: Clique aqui
Resenha: Clique aqui


O Fazedor de Velhos, de Rodrigo Lacerda
O livro de Rodrigo Lacerda, que já vendeu mais de 32 mil exemplares, chega à sexta reimpressão. Na obra, o autor narra a passagem de Pedro para a vida adulta. O adolescente descobre que a vida pode não ser tão doce quanto a primeira paixão, e encontra na literatura um caminho para buscar suas respostas. Mas o que torna O Fazedor de Velhos uma novidade do gênero é sua capacidade de reavivar a ternura e o afeto como sentimentos que também participam do processo de amadurecimento. Neste romance de iniciação, Rodrigo traça o retrato de um artista quando jovem. O personagem Pedro tem dúvidas sobre seus caminhos, o que o leva a pensar em desistir da faculdade de história. Eis que conhece Nabuco, um professor que o auxilia na difícil tarefa de se colocar no mundo. E por meio dos livros conhecerá a si mesmo. Sobretudo quando aparece Mayumi, por quem sentirá uma nova forma de amor. A prosa de Rodrigo Lacerda, ora bem-humorada ora emotiva, dialoga com leitores de todas as idades.
Comprar: Clique aqui
Resenha: Clique aqui


Olhos de Carvão, de Afonso Borges
“O que se percebe em Afonso Borges é, primeiro, uma amplíssima bagagem literária; um convívio longo, íntimo e intenso com a arte narrativa.” Alberto Mussa 
Ao resvalar do plano real para o simbólico, a linguagem sempre poética de Afonso Borges dá aura singular aos contos aqui reunidos, que muitas vezes não passam de um flagrante, mais próximos da crônica do que do conto tradicional. A mescla de linhas narrativas e a alternância de tempo ou espaço revelam também o domínio de técnica muito difícil de executar em dimensão tão curta. Olhos de carvão marca a estreia de Afonso Borges – criador do projeto Sempre Um Papo e da Fliaraxá, e autor de outros cinco livros – como contista.
Comprar: Clique aqui
Resenha: Clique aqui


Eça de Queirós: Dez Contos Escolhidos
Antologia reúne contos consagrados e algumas narrativas menos conhecidas no Brasil 
Esta bela seleção de contos do grande Eça de Queirós compõe um panorama dos temas característicos da obra do grande autor português. Seja pela crítica direta aos costumes de sua época ou pela alegoria de situações que mudam com a sociedade, Eça escreveu sobre o comportamento humano, do qual era arguto observador. Sempre em linguagem leve e direta, usando das sutilezas como tempero; o principal eram os personagens e suas histórias. Um talento que o projetou como o mestre do romance português moderno e que também pode ser conferido por meio dos seus contos.
Comprar: Clique aqui 
Resenha: Clique aqui

Compartilhe no Google Plus

Sobre Filipe Penasso

Autor e resenhista do Pena Pensante, 22 anos, acadêmico de Relações Internacionais e Comissário de Voo por formação.
    Comente pelo Blogger
    Comente pelo Facebook

0 comentários:

Postar um comentário