O Que é Fascismo? E Outros Ensaios, de George Orwell


Me aprofundei nos escritos de George Orwell com uma visão internacionalista, uma vez que as relações internacionais é um ramo das ciências políticas, a fim de desenvolver minha gama de conhecimentos a respeito dos temas propostos para saber discuti-los quando fosse necessário. E com isso, o resultado foi extremante satisfatório, já que Orwell é considerado um dos maiores escritores do séc. XX cuja proposta se embasa na política — sua maior obsessão intelectual e literária —, fazendo suas críticas tanto num contexto distópico, como na Revolução dos Bichos, sua maior obra, quanto na reunião de seus ensaios, resenhas e colunas, organizada por Sérgio Augusto, publicadas entre as décadas de 1930 e 1940 em diversos veículos da imprensa britânica, colocando-se, sempre, na posição de observador implacável da sociedade e dos hábitos praticados pela mesma em diferentes contextos culturais.


Principalmente nos dias atuais, na situação política do Brasil, diz-se muito em regimes fascistas e opressores; todavia temos que ter em mente que o conceito desse termo é bem mais profundo e indireto do que a definição cuja representação de um governo autocrático, centraliza-se na figura de um ditador. Um dos desejos do autor foi fazer com que pessoas comuns pudessem entender esses temas e, então, pleiteá-los, visando a lucidez sobre aquilo que na maioria das vezes permanece obscuro para grande parte da população.


Sabe-se que não foi à toa que George Orwell se tornou um dos maiores nomes da literatura. Sua paixão pela verdade num período de enormes turbulências e distorções, serviu de inspiração para que o mesmo despertasse um apreço pela democracia e seus fundamentos éticos e criticasse os horrores das tiranias. Por esse motivo, parte de suas obras foi proibida em diversos locais de regimes totalitários, como no caso da Revolução dos Bichos. Contudo, essa barreira imposta à liberdade de expressão não impediu que ele refletisse sobre a autonomia de pensamento e a precariedade da cidadania da época dentro dos 24 ensaios presentes do exemplar. E é interessante mencionar que mesmo com o passar dos anos, a proposição não perdeu sua importância e viabilidade no contexto atual; pelo contrário, cada vez mais há a necessidade de aprofundamento nesse assunto e nada melhor do que experienciar a visão corajosa daqueles que foram precursores na crítica e oposição de regimes totalitários e opressores.
"O que realmente é assustador quanto ao totalitarismo não é que comenta 'atrocidades', mas que agrida o conceito da verdade objetiva: ele proclama que controla o passado tão bem quanto o futuro."
Assim, essa mesma crítica característica do autor corresponde um fato relevante à obra pois ele não faz tais observações de forma vã e vazia, mas aproveitando de seu conteúdo para sustentar suas reformulações, sempre com total coerência e clareza nos aspectos que os assuntos requeriam. Não poupava nem mesmo aquilo que apoiava; e isso firma toda honestidade em meio às suas palavras. Além do mais, apesar de ter vários argumentos baseados em amplos estudos, não dispensava o tom satírico, equilibrado com a seriedade. 


Em síntese, o exemplar mostra a importância do conhecimento dentro do quesito político. A clareza e o fácil entendimento da escrita de Orwell contribuem para que isso seja atingido por públicos de diferentes esferas, levanto em conta que as ciências políticas abordam a arte de governar e que nesse âmbito existem vertentes corrompidas cujo pretexto encobre a verdadeira razão. O livro é de suma importância para que os interessados desenvolvam a característica de perceber a importância da principal influência  nesse meio: a da população que constitui a nação governada. Por isso, o desejo do autor em transformar a noção da política em uma arte, se firma em meio as suas páginas.


Para finalizar, não posso deixar de mencionar o capricho e a padronização que a Companhia das Letras teve com as obras de George Orwell, contribuindo muito para um acesso facilitado de seu conteúdo. A leitura fez com que eu refinasse minhas percepções como acadêmico da área e contribuiu para que eu entendesse outros temas ligados à atualidade que se encaixam às resenhas presentes no livro. Os 24 ensaios selecionados pelo autor e jornalista Sérgio Augusto para serem publicados no Brasil são os mais adequados, pois condizem com a realidade, tornando-se um dos lançamentos mais significativos e consideráveis para o ano no âmbito político e internacionalista.    

Clique aqui para adquirir o exemplar!
Nome: O Que é Fascismo? E Outros Ensaios
Autor: George Orwell | Editora: Companhia das Letras
Páginas: 160 | Publicação: 2017 | Esse livro no Skoob
Sobre: Romancista celebrado pelas distopias de 1984 e A revolução dos bichos, George Orwell também foi um prolífico repórter e colunista. Entre as décadas de 1930 e 1940, o autor de O que é fascismo? colaborou em diversos veículos da imprensa britânica. Nesta coletânea de 24 ensaios publicados em revistas e jornais, Orwell explora um amplo espectro de assuntos, sempre perpassados pela política, sua principal obsessão intelectual e literária.

Compartilhe no Google Plus

Sobre Filipe Penasso

Autor e resenhista do Pena Pensante, 22 anos, acadêmico de Relações Internacionais e Comissário de Voo por formação.
    Comente pelo Blogger
    Comente pelo Facebook

0 comentários:

Postar um comentário