Angus: O Primeiro Guerreiro, de Orlando Paes Filho


É extremamente bom quando temos a oportunidade de experienciar em uma leitura todos os sentimentos inerentes à fantasia de uma obra contextualizada em aventuras. Mas, melhor do que isso, é se tal obra apresentar, também, junto às características citadas, fatos históricos importantes para a humanidade unindo o útil e o agradável, ou seja: a utilidade das informações que desenvolve a gama cultural e a agradabilidade de ter essa historicidade priorizando o ambiente fictício e criativo proposto pelo enredo. Dessa forma, o autor garante uma experiência única a todos os leitores acirrados por um conteúdo que une essas duas vertentes catalizadoras.


O exemplar já pressupõe o início de uma trilogia que engloba o universo medieval, começando logo no primeiro século da idade média, em 545 d.C., utilizando a descendência para firmar a passagens dos anos no decorrer dos três livros. Mas no primeiro título, em especial, há o avanço de apenas 300 anos, aproximadamente, até o segundo capítulo, passando para 863 d.C. a fim de estabelecer sua premissa, que por sinal é bastante envolvente.


Columba, um monge eremita, começa a história com uma visão perturbadora do caos, sofrimento e destruição que ameaçam não só a vida, mas, principalmente, o que vem após ela, de toda a humanidade. A ordem sombria condena o espirito de seus praticantes e, sendo assim, Columba, o único que possui a solução para essa terrível profecia, organiza uma reunião com os druidas para forjar juntos uma espada luzente capaz de derrotar toda ameaça. Contudo, a mesma só será usada por um único guerreiro; seu nome: Angus.


Com uma escrita rica e detalhada, Orlando Paes Filho domina o assunto proposto, instigando os leitores a prosseguir por entre as páginas de seu livro. Depois da visão de Columba, passam-se os anos mencionados até nascer o garoto que seria, então, o primeiro guerreiro. Angus é criado sob a influência de duas religiões: a cristã por parte da mãe e a nórdica por parte do pai. O rapaz, que treina para ser um guerreiro, anseia em mostrar o seu valor. No contexto de aventuras e batalhas altamente descritas, vamos percebendo sua evolução e amadurecimento em meio às tormentas da vida, além de encontros com personagens que irão influenciar este processo e aprofundar em temas que envolvem a fé a espiritualidade.


Os capítulos longos não foram problema pois entendo que para garantir a qualidade do que reflete informação e emoção é preciso dominar com maestria a difusão de palavras para não se tornar uma história lacônica sem fundamentos. Logo nas primeiras páginas, já percebi quão rica seria esta experiência pois a descrição aprofundada é uma característica marcante do autor. De tal forma a garantir a originalidade do exemplar. Em síntese, para complementar e incrementar, a obra apresenta uma edição memorável com ilustrações marcantes a todo momento. É um livro que dá orgulho em saber que faz parte do acervo nacional e que, de fato, terá um lugar especial na minha estante a espera dos outros dois para, enfim, completar a trilogia.

Clique aqui para adquirir o exemplar!
Nome: Angus: O Primeiro Guerreiro
Autor: Orlando Paes Filho
Editora: Novo Conceito
Publicação: 2017 | Páginas: 368 | Esse livro no Skoob
Sobre: Uma invasão dos homens do norte arrasa a Ilha da Bretanha. Cidades e monastérios são deitados ao chão. Os invasores fazem frente aos maiores reis da Bretanha, tudo se torna árido pela devastação. Mas há um guerreiro de nome Angus MacLachlan que não parece tombar diante dos ataques daneses. Ele liberta os cativos e propõe uma nova resistência.

Compartilhe no Google Plus

Sobre Filipe Penasso

Autor e resenhista do Pena Pensante, 22 anos, acadêmico de Relações Internacionais e Comissário de Voo por formação.
    Comente pelo Blogger
    Comente pelo Facebook

0 comentários:

Postar um comentário