Histórias de Tia Nastácia: O Camponês Ingênuo


Na obra mais famosa de Monteiro Lobato, Sítio do Pica-Pau Amarelo, existe um volume que reúne as brilhantes histórias de Tia Nastácia, sendo uma delas O Camponês Ingênuo; pequena narrativa que nos faz refletir sobre a terrível "esperteza" dos malfeitores em contraste com a ingenuidade daqueles que creem na boa ação do próximo. De fato, trata-se de uma ótima oportunidade para se rever valores distorcidos e ponderar a confiança depositada ao ser humano sem regras. Confira:

Era um camponês muito ingênuo, que um dia partiu para a cidade de Bagdá a fim de vender uma cabra; foi montado num jumento, a puxar a cabra, que ia, tlin, tlin, tlin, com um cincerro ao pescoço. Três ladrões resolveram roubá-lo.
— Eu me encarrego de furtar a cabra — disse um deles.
— E eu, de furtar o jumento — disse o segundo.
— E eu, de furtar-lhe as roupas — disse o terceiro.
Assim combinados; os três malandros seguiram o pobre camponês. O primeiro deu jeito de passar a campainha do pescoço da cabra para o rabo do burro sem que o pobre homem percebesse. Sempre a ouvir o toque da campainha, só muito lá adiante é que olhou para trás e não viu cabra nenhuma.
Desesperado com aquilo, porque aquele animalzinho representava muito para ele, pulou do jumento abaixo e pediu a um homem que viu por ali que o segurasse enquanto ele ia em procura da cabra. Com a maior boa vontade o homem prontificou-se a segurar o jumento — e, assim que o camponês se afastou, fugiu. Esse homem era o segundo ladrão.
Quando o camponês voltou e não encontrou nem sinal do jumento, abriu a boca, desesperado. Nisto deu com outro homem que olhava para dentro dum poço, com grande aflição.
— Que houve? — perguntou o camponês. — Perdeu também algum jumento?
— Perdi muito mais — disse o homem com voz de desespero. — Imagine que fui encarregado de entregar um escrínio de ouro ao califa, e sentando-me à beira deste poço, para descansar, não sei que jeito dei que o escrínio caiu lá dentro.
— Por que não desce para pegá-lo?
— Já pensei nisso, mas tenho medo de resfriar-me. Sou muito sujeito a resfriados. Estou esperando que apareça alguém que queira prestar-me este serviço.
— Quanto paga? — perguntou o camponês.
— Oh, pago dez moedas de ouro, porque se trata dum escrínio riquíssimo.
O camponês não disse mais nada. Sacou fora a roupa e desceu ao poço. E o tal portador do escrínio, que não era portador de escrínio nenhum e sim o terceiro ladrão, fugiu com a roupa dele…

O mais legal dos contos de Monteiro Lobato é que podemos contemplar a reação dos personagens do sítio ao tomarem conhecimento de tal moral. No caso, abaixo se encontra a narrativa da reação de Narizinho, Pedrinho e Emília assim que Dona Benta acabou de contar a história; cada um fazendo jus as suas respectivas personalidades.

— Coitado! — exclamou Narizinho. — A vida é bem cruel. Os ingênuos e os bons são sempre iludidos pelos maus.
— Verdade, sim — concordou dona Benta.
— Os homens de boa fé saem sempre perdendo. Por isso o meu bisavô, que foi o homem mais matreiro da sua zona, costumava dizer: “Quando alguém me procura para propor um negócio, eu fico ouvindo e pensando cá comigo: “Onde estará o gato?” e descubro, porque em todo negócio que alguém propõe há sempre um gato escondido.” Nesse pau tem “mé”! — dizem os caboclos.
Mas Narizinho não tirava da ideia o pobre camponês.
— Coitado! Perder a cabrinha já foi um desastre. Perdeu depois o jumento, que valia muito mais que a cabrinha. E por fim acabou nu em pelo. E por quê? Só porque teve boa fé, só porque acreditou nos três homens…
— Por isso é que eu não gosto de gente — gritou Emília. — São os piores bichos da terra. Entre as formigas ou abelhas, por exemplo — quem é que já viu uma furtando outra, ou mentindo para outra, ou amarrando outra em rabo de burro bravo? Vivem em sociedade, aos milhares de milhares, na mais perfeita harmonia. Ah, quem quiser saber o que é honestidade de vida, vá a um formigueiro ou a uma colmeia. Aqui entre os homens é que não fica sabendo disso, não. Quanto mais conheço os homens, mais aprecio as abelhas e as formigas.

Compartilhe no Google Plus

Sobre Filipe Penasso

Autor e resenhista do Pena Pensante, 22 anos, acadêmico de Relações Internacionais e Comissário de Voo por formação.
    Comente pelo Blogger
    Comente pelo Facebook

0 comentários:

Postar um comentário