As Magníficas Torres de Bolonha


Bolonha possuía cerca de 180 torres entre o século XII e XIII e o motivo pelo qual elas foram construídas até hoje não é muito claro. Todavia, uma das hipóteses mais relevantes seria o fato das famílias ricas da época usarem tais construções para se defenderem dos inimigos. Infelizmente a maior parte veio abaixo no século XIII; algumas demolidas propositalmente enquanto outras simplesmente colapsaram devido à ação do tempo.
As que permaneceram de pé, foram reutilizadas nos séculos vindouros de várias formas, como prisão, comércio, residência, entre outras finalidades até que em 1917, numa tentativa fracassada de reestruturação da cidade, foram demolidas mais duas torres, sendo elas Artenisi e Riccadonna. Hoje, menos de 20 dessas quase milenares construções podem ser vistas; e para a surpresa de muitos a maior delas continua de pé, com seus 97 metros de altura, o equivalente a um prédio de 33 andares, e aproximadamente 900 anos. Trata-se da Torre de Asinelli.
Acredita-se que tenha levado mais de 10 anos para finalizar sua construção, com um trabalho oneroso de servidão. Assim, o projeto pôde atravessar toda a idade média até a era contemporânea, surpreendendo os olhares de todos os que tiveram a oportunidade de contemplá-la. Da base até o topo são 498 degraus, possibilitando uma vista panorâmica de toda a cidade de Bolonha.
Além de tudo isso, a história da torre ainda é cercada de fatos curiosos relatados em crônicas bolonhesas, como o fato de em 1513 ser atingida por uma bala de canhão de oito libras, e por ser alvo de inúmeros incêndios que causaram a destruição de suas antigas escadas de madeira. Há também uma significativa contribuição científica pois em 1790 o famoso físico Giovanni Battista Guglielmini realizou um experimento para reconhecer os efeitos causados pela rotação da terra, jogando uma bola de chumbo de seu pico e medindo seus desvios; o trabalho publicado foi um verdadeiro sucesso na época. 
Com uma inclinação de 2,32 metros para oeste, é considerada a mais alta torre inclinada da Itália. Entretanto, ao seu lado existe uma torre bem menor que hoje é fechada ao público, com 49 metros de altura, conhecida como Garisenda, que possui um ângulo muito mais expressivo: surpreendentes 3,22 metros de declive. Dizem que antes existia uma passarela de madeira que ligava as duas construções, mas que fora destruída no incêndio de 1398.
O poeta alemão Johann Wolfgang von Goethe, em uma de suas visitas às torres, descreveu sua experiência magnífica ao deslumbrar a paisagem do terraço de Asinelli: "Para o norte você pode ver as colinas de Pádua, em seguida, os Alpes suíços Tirol e Friuli, ainda no nevoeiro. Para o oeste, o horizonte sem fim em que emergem apenas as torres de Modenese. Para o leste, uma planície interminável ao mar Adriático, que é visível ao amanhecer. Para o sul, os primeiros montes Apeninos e exuberantes, cultivados até o topo; preenchidos com igrejas, palácios e vilas, como as colinas de Vicenza. Era um céu puro, claro; sem a menor nuvem; horizonte com apenas uma espécie de névoa seca".

Compartilhe no Google Plus

Sobre Filipe Penasso

Autor e resenhista do Pena Pensante, 22 anos, acadêmico de Relações Internacionais e Comissário de Voo por formação.
    Comente pelo Blogger
    Comente pelo Facebook

0 comentários:

Postar um comentário