Segredos da Escrita Antiga


É sabido que a escrita começou na Mesopotâmia cuja maior parte é, hoje, ocupada pelo Iraque. Na época, tinha como intuito registrar transações comerciais; começando pelo desenho dos objetivos e passando para símbolos que representavam ideias em seguida. Por volta de 3.500 a.C., os sons da fala começaram a ser escritos com estilete em pequenas tábuas de barro, sendo conhecida atualmente como escrita cuneiforme, ganhando o Velho Mundo.
Só em 1.000 a.C. os fenícios inventaram o alfabeto, mesmo já existindo a escrita independente em outras partes do mundo. Na China, os primeiros registros foram feitos em ossos, que marcavam ações militares e feitos de imperadores. Já na América Central os maias usavam hieróglifos a fim de usarem para a astronomia e as dinastias. É válido ressaltar que nas sociedades antigas, o conhecimento da escrita era restringido às elites, por ser considerado como fonte de sabedoria e poder.
A seguir abordarei alguns conceitos interessantes e úteis para que haja melhor compreensão do processo de evolução dessa maravilhosa arte. A pesquisa teve como fonte a Coleção Aventura Visual, publicada pela Editora Globo.


Placa Inaugural: Este cone de tijolo de 4.000 anos, da cidade sumeriana de Ur, estava numa parede para registrar a inauguração de um prédio. Além dele, havia também os sinetes usados para autenticar documentos; trazia o nome do proprietário e era passado em barro para deixar a impressão nítida. Podiam ser feitos com uma variedade de pedras, algumas até preciosas.


Tábula Cuneiforme: A forma mais antiga de escrita, a cuneiforme, consiste em sinais feitos com estilete numa tábua de barro úmido. Esta da imagem acima é uma de contas, da Mesopotâmia, escrita em, aproximadamente, 3.400 a.C.


Escrita Maia: Os escritos pictográficos dos maias desafiaram gerações de estudiosos. Não têm nenhuma semelhança com as outras formas conhecidas de escrita. Os primeiros sinais só foram traduzidos meados dos anos de 1880 e por mais de 100 anos pensou-se que os maias só utilizavam da escrita para registrar o calendário e fazer cálculos de astronomia. Só depois de 1960 é que se descobriu que alguns hieróglifos se referiam aos reis e aos seus feitos.


Escrita Chinesa: A escrita chinesa é a mais antiga em uso no mundo. A forma de 1.300 a.C., Período Shang da Idade do Bronze, ainda tem relação com o chines moderno. Em 221 a.C. foi estabelecida uma escrita padronizada que substituiu todas as variações regionais e que até hoje é usada.


Escrita Egípcia: A ideia da escrita provavelmente viajou da Ásia para o Egito, mas os caracteres em si foram desenvolvidos no local. Eram usados três tipos básicos: a escrita oficial, das inscrições, é o hieróglifo; a religiosa se escrevia nos papiros, com tinta; e havia uma mais simples, chamada de demótica, ou popular, para o dia a dia. Os escribas eram necessários para o funcionamento da complexa sociedade  do Antigo Egito para fazer os registro, tocar os negócios e para que os impostos fossem cobrados. O hieróglifo é um tipo de escrita em que palavras se representam por símbolos. Foi desenvolvido por volta do ano 3.000 a.C. e era usado para registros históricos, principalmente em túmulos e templos.

Compartilhe no Google Plus

Sobre Filipe Penasso

Autor e resenhista do Pena Pensante, 22 anos, acadêmico de Relações Internacionais e Comissário de Voo por formação.
    Comente pelo Blogger
    Comente pelo Facebook

0 comentários:

Postar um comentário