O Trabalho das Gotas de Chuva


Tive um prazer de narrar uma linda fábula em sua língua original, capaz de nos fazer refletir sobre a importante tarefa que uma simples gota d´água tem e o papel que desempenha desde o momento em que deixa as nuvens do céu até as nascentes vindas das profundezas da terra. Isso tudo contado num clima fantasioso e místico entre a conversa de um esquilo e um pisco-de-peito-ruivo. Você pode conferir sua versão original assistindo ao vídeo abaixo, foi retirada do livro The Royal Crown Readers, mencionado na publicação Livros para Desenvolver Habilidades Humanitárias, mas, caso prefira, tomei a liberdade de desenvolver uma própria versão na língua portuguesa, com algumas modificações, mas sem alterar a premissa. 


O TRABALHO DAS GOTAS DE CHUVA

"Mas o que pequenas gotas de chuva podem fazer?" perguntou o pisco-de-peito-ruivo para o esquilo, enquanto sentavam-se às margens claras de um riacho para conversarem em uma agradável manhã. Os outros amigos do pisco deixaram-o conversando, como de costume, com o vizinho peludo, logo após terminarem seu banho matinal.
"Eu não gosto de chuva!" afirmou.
"Mas o que pequenas gotas de chuva podem fazer?" uma voz clara veio do riacho. "Você devia nos ver trabalhando!"
O pisco balançou a cabeça para o esquilo e os dois ouviram uma doce voz prateada.
"Sim," o riacho continuou  "a partir do momento em que caímos das nuvens, vamos felizes para o trabalho, por isso não existem gotas de chuva preguiçosas. O solo estava cheio de buracos e fendas, onde nosso primo Jack esteve antes de nós.
"Você conhece Jack Frost?" questionou. "Ele é brilhante, alegre, amigável e cheio de travessuras, porém muito útil também. Todos os anos vem arenando o solo com seu arado gelado, assim as pequenas gotas de chuva conseguem chegar às raízes e sementes  das flores na primavera.
"Corremos pela sedenta profundeza, através do barro e do solo arenoso, até chegarmos num leito de pedras no qual não pudemos continuar o caminho. Era tudo sombrio naquele lugar, nenhum feixe de luz para nos orientar, tampouco raios de sol para nos animar.
"Nós conhecemos corajosas minhocas que trabalhavam duro em suas cavernas escuras. Dia após dia elas roem folhas caídas e as transformam numa espécie de barro, levando-o consigo quando retornam à superfície. Por toda a parte vocês conseguem ver centenas desses montinhos, esperando para serem espalhados pelas gotas de chuva.
"Levamos um pouco desse barro conosco e o deixamos perto de raízes e sementes, para que o sol envie seus raios e em pouco tempo os campos fiquem verdes novamente.
"Enquanto subimos através dos caules das flores, seus botões começaram a se abir e desabrocharam pétalas macias sob os raios calorosos do sol. Nós acordamos cada semente no jardim, e novos brotos verdejantes chegaram bisbilhotando em meio ao chão escuro. O ar ficou cheio de cantos doces de passarinhos,  pela chegada da primavera.
"Assim que nossa longa jornada chegou ao fim, pudemos voltar ao solo úmido e brincar com os raios do sol mais uma vez. Como fomos felizes.
"Vocês já viram uma nascente de água borbulhando pra fora do solo? Deviam estar lá para nos ver surgindo do chão, correndo cintilantes colina abaixo. E agora você vê, aqui estamos." Nisso a voz do riacho desapareceu em suaves ondulações em meio às margens.

Compartilhe no Google Plus

Sobre Filipe Penasso

Autor e resenhista do Pena Pensante, 22 anos, acadêmico de Relações Internacionais e Comissário de Voo por formação.
    Comente pelo Blogger
    Comente pelo Facebook

9 comentários:

  1. Nossa, simplesmente genial. Estou encantada com a publicação, além disso, quem me dera ter um nível de inglês igual o seu. Parabéns! =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado pelo comentário, Maria Júlia. Também fiquei feliz pelo elogio! =)

      Excluir
  2. Olá, Felipe. Tudo bem?
    Meu inglês não é muito bom, então não conseguiu entender tudo assistindo ao vídeo. Mas, ao ler o texto, vi que ele é simplesmente sensacional. É incrível perceber tudo O Trabalho da Gota de Chuva. Adorei.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Leandro! Fico feliz que tenha gostado do texto, grande abraço!

      Excluir
  3. Olá! Adorei o conto! Muito simples e fofo, nos ajuda a relembrar toda a importância que a água tem na natureza. Assisti ao vídeo, mas infelizmente não consigo entender tudo. Espero um dia ter um inglês tão bom quanto o seu! Parabéns! :)
    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Bem que eu amaria ler textos em inglês!!! Mesmo a simplicidade do texto mostra o quão importante é a água, mesmo em uma simples gota de chuva.
    Bsj!

    ResponderExcluir
  5. Olá, tudo bem.

    Que texto mais lindo. Uma fábula leve e cheia de lições. E o título é maravilhoso, pois amo chuva. E quando era criança adorava observar os pingos, e quando a chuva passava corria pata ver as gotas deslizando das folhas. Achava lindo. Haha. Amei demais o texto, obrigada por postar.

    Abraços

    ResponderExcluir
  6. Oiii Filipe, tudo bem?
    Que coisa mais linda e encantadora essa sua postagem, fiquei emocionada e nunca havia pensado na gota dessa maneira, a partir de agora irei pensar e reparar de outra maneira.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  7. Olá, que fábula linda, eu não conhecia e fiquei encantada...parabéns!

    Abraços

    ResponderExcluir