25 Curiosidades Sobre Bibliotecas


Segundo a Grande Enciclopédia Larousse Cultural, muito se tem para aprender sobre a história das bibliotecas no mundo, desde seus primeiros relatos até os dias atuais da sociedade contemporânea. Ao ler uma parte específica sobre esse assunto, presente no Volume II da obra, resolvi criar uma publicação em síntese com os principais aspectos e características que engloba o desenvolvimento das bibliotecas no decorrer das eras. O resultado do resumo foi uma lista com vinte e cinco curiosidades que você pode conferir logo abaixo.

► A primeira biblioteca de que se tem notícia é a do Faraó Ramsés II, do Egito.
► Outra biblioteca importante da Antiguidade foi a de Nínive, organizada entre 669 e 629 a.C., por Assurbanipal, na Assíria.
► A primeira biblioteca pública grega foi fundada em 571 a.C., por Pisístrato, mas as mais significativas pertenciam a particulares, sobretudo filósofos e teatrólogos.


► A mais célebre das bibliotecas antigas era a de Alexandria, que, formada no séc. III a.C., tinha cerca de 700 mil volumes; vítima de três incêndios, o último dos quais definitivo.
► Famosa também foi a biblioteca de Pérgamo, com 200 mil volumes, incorporada à de Alexandria por Marco Antônio, como uma espécie de presente a Cleópatra.
► Os romanos foram o povo da Antiguidade que mais se preocupou com a difusão e popularização das bibliotecas públicas, datando de 39 d.C. a criação da primeira, em Roma.
► Dentre todas, a mais importante biblioteca pública de Roma era a Ulpiana, fundada por Trajano.
► Juntamente, Palatina e Ulpiana formava a dupla mais notável das 29 bibliotecas que Roma possuía no séc. IV d.C.


► A Idade Média conheceu três tipos de bibliotecas: as monacais, as das universidades e as particulares.
► Aos mosteiros e aos monges copistas (aqueles que copiavam os exemplares) devem-se a salvação e o resgate de escritos da Antiguidade para o mundo moderno.
► As Bibliotecas Monacais foram as grandes confeccionadoras de livros e guardiãs do acervo existente.
► Foram nas Bibliotecas Monacais que apareceram os códices (livros escritos em folhas, semelhantes aos livros atuais); com eles surgiram as estantes.
► A fundação das universidades representou um marco na história das bibliotecas, pois esses centros foram responsáveis pela laicização (subtração da influência religiosa) da cultura ocidental.
► A mais importante foi a de Oxford, chamada de Bodleiana.
► Na França, a da Universidade de Paris, que mantinha acorrentados os livros de seu acervo (costume medieval, para salvaguardar as obras).


► A partir do séc, XVI, a biblioteca passou por uma grande transformação, devido a quatro fatores fundamentais de mudança. São eles:
►  Laicização: Desde a Antiguidade até o Renascimento, a biblioteca tinha caráter religioso, não pelo conteúdo dos livros registrados, mas pela natureza de sua administração; na Renascença adquiriu caráter leigo e civil.
► Democratização: Antes fechada e restrita praticamente à classe sacerdotal, passou a ser pública, aberta a todos;  e além do seu antigo sentido (conservação), adquiriu um novo, o da difusão.
► Especialização: A difusão implicou atender aos mais variados gostos e necessidades.
► Socialização: De órgão passivo, passou a ser dinâmico, desempenhando importante função junto à coletividade, dando a todos os cidadãos direitos de desfrutar dela.


► As maiores bibliotecas do mundo são a Biblioteca Lênin, em Moscou; A biblioteca do Congresso, em Washington; e a Biblioteca de Leningrado.
► A mais importante das bibliotecas francesas é a Biblioteca Nacional, em Paris, à qual se somam, na capital francesa, a Biblioteca Mazarino, a do Instituto da França, a Biblioteca Pública do Centro Georges Pompidou e as grandes bibliotecas universitárias de Sorbonne e de Sainte-Geneviève.
► Outras bibliotecas importantes são as do Museu Britânico (Londres), a Biblioteca Nacional de Viena e a do Vaticano.
► No Brasil as mais importantes são a Biblioteca Nacional (Rio de Janeiro), criada em 1810, e a Biblioteca Municipal Mário de Andrade (São Paulo), criada em 1925.
► Para crianças e adolescentes, A Biblioteca Infantil Monteiro Lobato oferece a maior quantidade de títulos  da América do Sul. Já para exemplares especializados, dentre as mais importantes bibliotecas brasileiras, podemos citar a do Instituto Butantã, a da Sudene e a do Museu Emílio Goeldi.

Compartilhe no Google Plus

Sobre Filipe Penasso

Autor e resenhista do Pena Pensante, 23 anos, acadêmico de Relações Internacionais e Comissário de Voo por formação.
    Comente pelo Blogger
    Comente pelo Facebook

2 comentários:

  1. Adorei a publicação de hoje, compartilhando agora!
    Não vi nada parecido em nenhum blog ainda, parabéns pela iniciativa.
    Grande abraço e sucesso para você!!! =)

    ResponderExcluir