O Sobradinho dos Pardais, de Herberto Sales


Como é bom quando encontramos um livro capaz de despertar em nós sentimentos há muito esquecidos. Isso aconteceu comigo quando li O Sobradinho dos Pardais, de Herberto Sales.
À medida em que vamos crescendo, vamos, também, esquecendo de coisas que não nos interessa mais e, consequentemente, novos valores são adquiridos. Mas, basta um toque de simplicidade naquilo que é presente para percebermos que não precisamos de muito para sermos felizes.
O Sobradinho dos Pardais despertou em mim algo que eu não sabia que tinha: a capacidade de ser feliz com pouco e, acima de tudo, de continuar feliz caso perca o pouco que tenho, pois não existe nada mais valioso do que a vida e o amor ao próximo.
O livro conta a história de Dona Pardoca e Sr. Pardal, um casal de pardais que vive na mata. Dona Pardoca via a amiga, Joaninha de Barro, e se perguntava o porquê de não ter uma casa para morar como a comadre. Convencendo o marido, o casal se muda para a cidade tentando encontrar um beiral para lá viver.
Acabam encontrando um grande sobrado em uma chácara vazia e fazem dali, sua casa. Passam momentos felizes, os quais Dona Pardoca jamais imaginou. O sobrado era grande, havia árvores frutíferas por todos os lugares e uma grande cisterna para beberem água. Acabam tenho dois pequenos pardaizinhos. Tudo parecia um sonho, até que os humanos chagaram...
Mesmo sendo um livro escrito para crianças, a mensagem que a obra passa é tão nobre que, na minha opinião, todos deveriam lê-la, independente da idade. Podendo ser todo concluído em uma única tarde, apresentando uma narrativa simples na terceira pessoa.
Posso afirmar que a obra infanto-juvenil brasileira é capaz de transmitir de forma simples, toda a genialidade de um dos autores de nossa terra.

Título: O Sobradinho dos Pardais
Autor: Herberto Sales
Data de Lançamento: 1969
Editora: Melhoramentos
Páginas: 92
Sinopse: Para fugir do frio, Dona Pardoca e seu marido resolvem mudar-se para a cidade. Lá eles poderiam morar num beiral com menos perigo do que na mata. A viagem é cheia de surpresas. Num sobradinho de uma chácara abandonada, encontram o beiral sonhado. Formam sua família e vivem felizes e com fartura. Até que chegam os homens... 

Compartilhe no Google Plus

Sobre Filipe Penasso

Autor e resenhista do Pena Pensante, 22 anos, acadêmico de Relações Internacionais e Comissário de Voo por formação.
    Comente pelo Blogger
    Comente pelo Facebook

3 comentários:

  1. Parabéns pela resenha, esse é o tipo de livro para incentivarmos as crianças à leitura!

    ResponderExcluir
  2. Esse foi o primeiro livro que li na vida era criança ainda queria muito ler dinovo e dar para meu filho let mais não estou encontrando mais.esse livro simples me fez amar ler.

    ResponderExcluir