A História do Ritual do Homem de Ouro


Em 1492, Colombo atravessou o Atlântico e lançou aos espanhóis à conquista do Novo Mundo. Nos cinquenta anos que se seguiram, os Astecas do México e os Incas do Peru sucumbiram a estes conquistadores ávidos de ouro. Fizeram-se expedições aos Andes da Colômbia na mira de saquear e pilhar os túmulos dos índios e em 1539 os europeus entraram pela primeira vez no território do povo Muisca, e fundaram a cidade de Bogotá.
Pelos Muiscas, os espanhóis tiveram pela primeira vez conhecimento de uma cerimônia no misterioso lago Guatavita. Estavam ainda vivos alguns índios que haviam presenciado a última das cerimônias de reconhecimento do rei. O que se segue é a narração feita por uma testemunha ocular e referida por um cronista espanhol em 1636.
"No primeiro dia ele foi até o lago Guatavita para oferecer sacrifícios ao demônio que veneravam como seu senhor e deus. Durante a cerimônia, que teve lugar no lago, fizeram uma jangada de junco, decoraram-na e embelezaram-na com tudo o que de mais bonito tinham e nela colocaram quatro vasos de metal, nos quais queimaram muita moca, o incenso destes nativos, e também resina e outros aromas. O lago era largo e profundo, de modo que um barco grande e bem carregado podia navegar nele transportando um sem-número de homens e de mulheres enfeitados com plumas, placas de ouro e coroas...
Nesta altura despiam o herdeiro de modo a ficar nu e esfregavam-no completamente com uma fina camada de pó de ouro, pelo que ficava totalmente coberto deste metal.
Metiam-no na jangada onde permanecia imóvel e a seus pés colocavam um montão de ouro e de esmeraldas para ele oferecer ao seu deus. Na jangada seguiam, com ele, os quatro mais importantes chefes subjugados enfeitados com plumas, coroas, braceletes. pendentes e brincos, tudo de ouro. Também eles estavam nus e seguravam as suas oferendas. Logo que a jangada começava a afastar-se da costa, a música começava a ouvir-se tocada por trombetas, flautas e outros instrumentos, acompanhada de cantos que abalavam as montanhas e os vales até que, logo que a jangada chegava ao centro do lago, içavam uma bandeira em sinal de silêncio.
O índio dourado fazia então as suas oferendas lançando ao lago todo o ouro que levava, seguido dos chefes, que imitavam os seus gestos. Com esta cerimônia o novo governante era recebido e reconhecido como senhor e rei."

Compartilhe no Google Plus

Sobre Filipe Penasso

Autor e resenhista do Pena Pensante, 22 anos, acadêmico de Relações Internacionais e Comissário de Voo por formação.
    Comente pelo Blogger
    Comente pelo Facebook

0 comentários:

Postar um comentário