O Poder Maquiavélico


Se pesquisarmos o significado da palavra "maquiavélico" no dicionário, iremos descobrir que se trata de uma pessoa extremamente interesseira, que calcula suas ações para obter o benefício próprio. Entretanto, apesar de Nicolau Maquiavel ter posto a nu uma política com realismo e frieza, diferente dos outros filósofos, seu principal objetivo foi concretizar sua teoria de que os fins justificam os meios, ou seja, o resultado final de uma obra justificará as ações realizadas no decorrer de seu processo. Em seu livro " O Discurso" podemos encontrar o seguinte trecho: "É justo, quando as ações de um homem o acusam, que os resultados o justifiquem."
Maquiavel viveu entre o final do século XV e início do século XVI. Nesse período ocorria o início do renascimento que, como o nome já diz, era uma época em que se dava o surgimento de novas ideias nas diversas esferas do fazer humano. No entanto, ao contrário de seus antecessores, que entendiam a política com base nos valores morais, éticos e religiosos, Maquiavel buscava a recriação de uma nação italiana com inspiração na República Romana a partir de um olhar realista, ou seja, ele via a política destituída de valores religiosos ou morais. Seria a política por ela mesma.
Segundo o filósofo, o poder poderia ser conquistado por diferentes maneiras: pelo emprego da violência e o uso da força, pelo consentimento da sociedade, pela sorte de estar no lugar certo e na hora certa e pela "virtu" sendo essa características pessoais do governante.
Seu objeto de estudo era o Estado como poder político, entendendo a história como um processo cíclico, havendo momentos de crise em que o governante necessita ter um posicionamento rígido e, por outro lado, havendo momentos de estabilidade em que o governante pode recorrer ao modelo da República.

Compartilhe no Google Plus

Sobre Filipe Penasso

Autor e resenhista do Pena Pensante, 22 anos, acadêmico de Relações Internacionais e Comissário de Voo por formação.
    Comente pelo Blogger
    Comente pelo Facebook

0 comentários:

Postar um comentário