O Oráculo e o Incrédulo.


Na Grécia, as pessoas acreditavam nos deuses do Olimpo, e botavam fé como em qualquer outra religião.
− Louco quem pretende enganar o céu − diziam os gregos. − Os corações no mais íntimo de seus recantos, nada têm que não seja passível de ser visto a simples olhar dos deuses, que veem as menores ações feitas pelo homem, até mesmo aquela que nas sombras é ocultada.
Um certo pagão que não tinha fé nenhuma e só acreditava nos deuses quando disso poderia advir-lhe lucros, entrou no templo de Apolo. Assim que se encontrou ao pé de seu altar, dirigiu-se a ele:
− Sereis capaz de me dizer se o que trago oculto em minhas mãos está vivo ou morto?
Bem fechado por entre os dedos trazia o ímpio um minúsculo pardal, e estava pronto a dar cabo do passarinho ou pô-lo em liberdade, dependendo de qual fosse a resposta do deus. Seu desejo era surpreender em erro o poderoso Apolo. Mas este, penetrando no mais íntimo do incrédulo, ficou sabendo qual era sua intenção.
− Morto ou vivo - respondeu-lhe Apolo. − Mostre-me esse pardal que tens na mão, e vê sacrílego estulto, que aos olhos dos deuses nada se pode ocultar do que acontece na humanidade.

Compartilhe no Google Plus

Sobre Filipe Penasso

Autor e resenhista do Pena Pensante, 22 anos, acadêmico de Relações Internacionais e Comissário de Voo por formação.
    Comente pelo Blogger
    Comente pelo Facebook

0 comentários:

Postar um comentário