A Pirâmide de Quéops.


Quando Quéops, Faraó da IV dinastia, em 2640 A.C., ordenou que lhe fosse erigido um túmulo que, pela altura e imponência, obscurecesse o sol, 100.000 escravos esfalfaram-se sob a canícula solar, durante 20 anos. Núbios, Hebreus, Berberes, povos mediterrâneos, foram envolvidos pela mesma fadiga, e, juntos, compartilharam os escassos víveres que lhes forneciam, derramaram o sangue sob a chibata dos algozes, morreram devido aos esforços despendidos. Aqueles que conseguiram sobreviver, ao termo da obra, foram massacrados, para que ninguém no mundo viesse a ter conhecimento do modo de acesso à cela sepulcral. O Egito, naquela vintena, caiu na desolação. Foi necessário fechar todos os templos, limitar as cerimônias religiosas, sobrecarregar os súditos com taxas e impostos, ordenar aos homens livres que trabalhassem lado a lado com os escravos. Dois milhões e trezentos mil blocos de calcários, pesando duas e meia toneladas cada um, extraídos das montanhas de Mokattam, foram sobrepostos um sobre outro até atingirem a altura de 149,59 metros. Os trabalhadores tinham, para auxiliá-los, bem poucos engenhos: os cavadores serviam-se de cunhas de madeiras, molhadas, que, enterradas na pedra, ao se dilatarem, partiam-na; os carregadores transportavam os blocos pelo Nilo, mediante enormes jangadas; depois, sobre, trenós de madeira, faziam-nos prosseguir até ao planalto de Al-Jizah, percorrendo uma estrada que custara dez anos de ingentes trabalhos; os escravos pertencentes às obras de pirâmide, afinal, para elevarem os blocos de um degrau a outro, serviam-se, mais do que das grus formadas por troncos de árvores, da força de seus braços. 5000 anos já transcorreram, desde esse tempo. A pirâmide de Quéops, a única das "sete maravilhas do mundo antigo" que sobreviveu, quase que intacta, permanece ainda ali como perene testemunha de uma civilização desaparecida.

Compartilhe no Google Plus

Sobre Pena Pensante

Filipe Penasso: Editor e resenhista do Pena Pensante, graduado em relações internacionais e autor do livro de poesias Entre Asas e Raízes.
    Comente pelo Blogger
    Comente pelo Facebook

0 comentários:

Postar um comentário